Uma chuva nunca doeu tanto em mim dessa maneira. Fiquei sentindo os pingos tentando lavar meus pensamentos, fiquei pensando se existe alguma mágoa tão profunda ou se ela simplesmente não se importa.
A frieza daqueles olhos não fazia parte da lista de coisas que já aprendi a suportar. Nem um estranho ficaria tão infeliz em me ver. Ouvir que nada tinha valor, que ela nunca tinha tido nada antes dele foi ouvir a confissão do meu valor: nenhum. Ela mal levantou os olhos. Ela não esboçou nenhum sorriso. Me dói ser tratada como um ex namorado sem importância que ela tivesse que excluir da lista. Como se tudo que a gente viveu não tivesse significado nada, como se nunca tivessemos sido realmente amigas.
Nunca pensei que até o frio e a chuva na beira da estrada fossem melhores que a casa da minha melh... Bem, também nunca pensei que o termo "melhor amiga" não caberia mais nesse sentimento.
A gente não se entende, a gente não se conhece, a gente nem sequer se gosta mais.
Doeu todo esse tempo, doeu hoje e continua doendo. Mas se é pra ser assim, eu não vou mais me deixar considerar algo que não existiu. Não existiu amizade, cumplicidade, momentos felizes. Não existiu nada. E também não vai mais existir essa dor, essa luta, nem esse sentimento. A chuva as vezes lava a alma, e eu estou lavando a minha.

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

Não se pode confiar nos olhos quando a imaginação está fora de foco.

Cinderela Compulsiva Copyright © 2013 - Todos os Direitos Reservados

  

Web Statistics