Chuva


Eu sinto o vento, e começo a sentir as gotas frias pelos meus cabelos.
Ao invés de me proteger, eu deixo que elas molhem meu rosto. Eu fecho os olhos, cerro os lábios, e deixo que elas chorem por mim. Minhas lágrimas se misturam aos seus pingos, e então são o mesmo triste e melancólico choro.
Talvez elas possam lavar e levar com elas toda dor e solidão.
O céu triste e escuro anuncia que eu devia ir pra casa.
Mas eu não vou. Eu sigo sem rumo, sentindo o cheiro da terra molhada, talvez ele possa me animar e me fazer agradecer pelo milagre da vida.
Continuo seguindo, rua após rua, gota após gota, pensamento após pensamento.
A garganta anseia por gritar, as pernas anseiam por correr, e me dou conta que estou livre e só a chuva me liberta para fazer o que eu quiser.
Então eu corro, eu grito, eu danço, eu canto. Então eu choro, eu penso, eu balanço a cabeça, afastando pra longe qualquer pensamento que me faça mal.
Eu corro, giro em torno de mim mesma, e de braços abertos, eu giro até perder o equilíbrio.
Então eu tiro os sapatos, molho os pés e me sento na beira da estrada.
Então eu sou eu, e não tenho ninguém pra me repreender.
Chuva, como eu te amo.

---



# Não era exatamente paixão.
Era simples e somente esperança de que tudo mudasse #




Ansiedade

Hoje o céu amanheceu pesado e escuro. Deixando cair pedacinhos sobre meu teto, me pareceu sereno, e o barulho embalou meu sono, cheio de sonhos e pesadelos.
Eu me reviro e desmonto pela semana, inundada de medos, desespero, solidão e suposições, mas quando vai se aproximando o final dela, é só em você que eu consigo pensar.
Meu coração se enche de esperanças, e a barriga sente o frio típico de paixão.
Como eu consigo, depois de mais de 10 meses, conservar a tão tosca melancolia de adolescente apaixonada?
Como eu consigo deixar que esse sentimento não se desgaste, e que os olhos continuem brilhando ao te ver, como se fosse o primeiro encontro?
Eu não sei.
Só sei que os minutos vão se arrastando, e como uma criança ansiosa eu tento não contar, tento me distrair, mas os pensamentos chegam depressa até você.
Da semana cheia de obrigações, dos dias cheios de medo e solidão, enfim chega minha válvula de escape. Enfim chega meu pedacinho lindo de fuga, enfim chega você.
Essa ansiedade boba de menina ingênua e apaixonada aquece meu coração, e por mais que seja imaturo ou insano, é isso que me faz feliz;
E, como se esperasse o papai noel depositar os presentes sob a árvore, eu conto as gotas de chuva enquanto espero meu presente (que fala, anda, beija e sente).
Mal vejo a hora de te abraçar, fechar os olhos, sentir o mundo parar, e poder dizer EU TE AMO.

Medos e Suposições


(...)O que aconteceu? Não sei bem, eu me distanciei dela. Vi que poderia viver sem ela. Aprendi a viver sem ela. Me acostumei a ser sozinho.
Amor platônico pode se tornar real, mas amor real não consegue virar platônico. O inverso não é válido. Ele desaparece nos bons modos e na tentativa de reproduzir ou prolongar um afeto antigo.
Amor real é viciado no corpo. Não suporta menos do que foi ou se alimentar da saudade. É uma pena que isso ocorra, é uma decepção diante do nosso romantismo e idealização, registra inclusive uma ausência de esforço.


Amor tem mais chance de dar errado do que certo, porque inventamos restrições e desculpas para não avançar(...)


Admirar a história não significa ter força para mexer nela. Alguns perdem o passaporte para regressar ao passado.


(Fabrício Carpinejar)

Será que eu deveria mesmo comparar as coisas dessa maneira?
Mas foi assim que eu sempre pensei, parece que Fabrício Carpinejar leu meus pensamentos e os traduziu nas palavras.
A distância traz a acomodação.
Assim que uma pessoa se acostuma a viver longe da outra, vão se tornando cada vez menos essenciais os encontros, e mais distante a antiga realidade. Outras pessoas e outras coisas começam a preencher aqele vazio, e então vem aqela aula de biologia da 8ª série, onde o professor ensinou que os seres vivos se adaptam a qualquer ambiente. Se adaptam a tudo.
Essa é a chave. A adaptação. Mesmo que nada tenha acabado, a distância obriga a sentir a dor da separação, obriga a seguir em frente e construir outra vida à parte.
Já ouvi lindas histórias de amor, e milhões de frases que reforçam que o amor supera tudo, inclusive a distância. Mas nunca presenciei, nunca vi de verdade um caso em que os dois superaram realmente, e tudo seguiu seu curso normal.
Mas eu não desisto.
Eu não me entrego por suposições.
Quero pagar pra ver, quero esperar e vivenciar, pra ter a prova se a minha história é forte o suficiente, e se vale a pena.
Medo? Muito. Medo de conservar o sentimento, mas perder tudo mais que conquistei, inclusive ele. Medo de cultivar um relacionamento doentio e dependente e me contentar com migalhas.
Mas medo todo mundo tem. Não há nenhuma história; nem à distância, nem próxima, nem de amor, nem de amizade; que não corra riscos e não provoque medo.
Então, tenho minhas dúvidas e meus medos, mas sigo em frente. Não porque acredito ser a coisa certa a fazer. Mas porque no fundo, lá bem longe da razão, o meu coração me ordena que eu tenha esperanças e arrisque.

O que foi que deu errado?





Hoje eu me pergunto quantas manhãs eu ainda vou acordar e continuar com os olhos fechados tentando planejar como passar mais um dia camuflando a dor.
Me levantei da cama sem ter muita certeza sobre os passos que estava dando, achei que a qualquer momento ia cair no chão e me acabar em lágrimas.
O meu computador não suporta mais minhas letras melosas e minhas músicas deprimentes. Eu quis uma fuga, eu quis uma dica, mas não há nada por aqui que possa me salvar.
Oq aconteceu com a felicidade, com o amor, com o interesse, com o companheirismo?
Eu acreditei que tudo ia ser perfeito pra sempre...
O que foi que deu errado pra nós ? Em que momento as coisas começaram a se perder no meio do vazio, do silêncio, e das brigas?

---




Eu sinto saudade daqueles tempos que a gente não brigava
De quando tudo era bom o suficiente, e de quando eu não sabia o quanto as coisas podem ser falsas
Eu sinto falta de você bagunçando meu cabelo, e me olhando escondido
Queria que as coisas permanecesem intocadas, que o vento não revirasse tudo e me levasse assim
Lembrando de quando eu me sentia inundada pela felicidade de estar sonhando, e comparando agora, com a tristeza de acreditar na verdade
Queria só mais uma vez; um dia divertido, um sorvete colorido, e a música embalando o que era reprimido.


Umas fotos alegres
E meus olhos gravando a imagem de ser real,
# e até umas risadas a toa, um cara de boa observando o curso natural dos sentimentos #



(por: Gabriela Ramos)

Felicidade

Eu sempre me questionei sobre o meu direito de ser feliz.
Eu vagei por tanto tempo perdida, de paixão em paixão, com medo da solidão...
Evitando ficar sozinha comigo, com medo do qe iria encontrar, ou do qe não iria encontrar.
Mas então, quando eu finalmente resolvi enfrenta-la cara a cara, eu aprendi a estar de bem comigo mesma.

E quando isso aconteceu, apareceu você.

Quando eu aprendi a me desprender das ilusões, a deixar de depender de uma fixação pra sobreviver, você chegou e cultivou em mim um amor saudável. Um amor eqilibrado, livre.
E quando você me conquistou dessa maneira, aprendi a ter um relacionamento bom.
Um relacionamento de cumplicidade e apoio. Sem egoísmo ou dependência.

E quando isso aconteceu, apareceu a felicidade.

Jeferson & Sol


JefersoN & SoL

Ele apareceu, eu tava por aíí, num estado emocional tão ruim...
Me sentindo muito mal..
Perdida, sozinha, rodando de bar em bar, procurando não achar...
Ele demonstrou tanto prazer em estar em minha companhiia.
Eu experimentei uma sensação qi até então não conhecia:
De te querer beem.. De querer quem se tem !
Ele me faz tão beem, ele me faz tão bem,
Eu também quero fazer isso por ele !

(Jota Quest)

Travessuras da Vida

Engraçado como o nosso cérebro funciona.
Palavras que ouvimos, podem marcar na nossa memória pelo resto da vida, mas palavras que dizemos, rapidamente somem da memória.
As vezes, dizemos coisas duras, ou bonitas, ou marcantes de alguma forma, e a pessoa que as ouviu nunca irá esqecer, mas nós esqecemos tão rápido.
As vezes magoamos tão profundamente as pessoas com pequenas palavras, e nem sequer temos noção disso.
E eu ainda estou tentando entender pqe o que você me fala me atinge tantoo...
Como você pôde me fazer acreditar que eu não valho nada, que eu não dou valor em mim mesma, nas pessoas ao meu redor, nas pessoas que gostam de mim e que estão ao meu lado, e que ninguém me atura por muito tempo? Como eu pude me deixar acreditar nisso tudo?
Será que é realmente isso que você pensa de mim ? Talvez nem seja, e eu me martirizando dias e noites com coisas que você me disse num momento de raiva.
E se fosse, pqe eu me deixo atingir de tal forma?
Como você mesmo diz, eu não me dou valor suficiente, por isso não confio em mim mesma, no qe eu posso ser de bom.
Tudo faz tanto sentido.

Porque você gosta de me magoar ? Era pra ser uma amizade... Pqê você se aproveita da influência que tem sobre mim pra me torturar ? Era pra ser simplesmente uma boa e velha amizade, você não tinha que combinar tudo oq sabe sobre mim e sobre oq me magoa, e usar o seu poder com as palavras pra acabar com a minha vida....

Quem vai te entender ? Quem vai me entender ?
Como agora você simplesmente diz que tá com saudade, se me despedaçou em mil pedaços?
Talvez você nem lembre do quanto me magoou. Talvez eu já tenha te magoado muito mais que isso, e não me lembre.
Tudo faz tanto sentido.
Era pra ser uma amizade, mas olha só oq a vida aprontou.

Aquela Música (Jay Vaquer)

" Tocava aquela música que era a nossa cara,
Quis saber como você estava...
Senti a sua falta,
Bem que você podia me ligar...

'Como vai? O que tem feito?'
Disfarçaria para não dar nenhuma bandeira,
Pra fingir que tá tudo certo,
Que a minha vida continua da mesma maneira (...)"


Esperança


Tentando aceitar as mudanças confusas da vida, tentando me conformar e seguir em frente da melhor maneira possível.
Retomando as esperanças, enxugando as lágrimas e tentando esboçar aqele sorriso de novo.
Pensando nas boas possibilidades, no lado positivo, na face sorridente do mundo.
Simplesmente tentando me reerguer e retomar a vida.



“Sê no temor do Senhor todo dia. Porque deveras há um fim bom; não será malograda a tua esperança”
Provérbios 23:17-18

Tristeza

Queria eu entrar em meu blog e fazer postagens alegres...
Mas a vida parece tão confusa pra mim agora.
Não sei mais oq é adormecer, meus cochilos são rápidos e perturbados, com pesadelos e alucinações... Noite adentro, eu me agarro ao meu travesseiro, e a força não é suficiente para transferir a ele minhas angústias.
O tempo passa lento e as dúvidas e medos perambulam pela minha cabeça e as lágrimas rolam sem piedade. Quentes. Amargas. Doloridas.
Tenho me preocupado, além de todas outras coisas, com oq vai ser da minha vida daqi pra frente. Chegou a hora de ser adulta, mas a pergunta é: 'Eu Cresci ?' Me sinto tão criança ainda como sempre fui. Tão irresponsável e superficial. Tão dependente.
E tão só. Perdida na minha imaginação. Perdida entre as letras, as palavras, as frases, a página do diário...
Perdida nessa montanha russa da vida. Apavorada.
E qem é que vai puxar o freio, para que eu possa sentir aqele ventinho bom, respirar e sorrir ?

Perdedora


Você já se sentiu um perdedor ?
Já se sentiu como se todos fossem melhores qe você, como se nunca fosse capaz de vencer?
É difícil quando se acorda com a sensação de não ter um caminho, de não ter um destino, de fazer tudo errado e parar no tempo.
É assim que me sinto. E foi essa a sensação qi me impediu de dormir. A sensação de não conseguir seguir com a vida, de estar parada e não conseguir evoluir.
Insatisfação comigo mesma. E duvidando da minha própria capacidade, eu nunca cheguei a lugar nenhum. Não fazendo esforços, de repente eu vi que simplesmente não tenho planos, não tenho metas, nunca lutei por nada.
Uma perdedora, é o que eu sou.
Chegou a hora de escolher um caminho e seguir, mas eu não o fiz. Eu me deixei levar e o pior caminho passou por mim, o caminho dos perdedores.


"Eu nunca soube exatamente como vencer, fui deixando arrumada a mala (...)
Eu sempre soube exatamente como perder, fui deixando desarrumada a sala, na bagunça não podia mais me encontrar(...)
Eu me joguei num labirinto..."

(Num Labirinto - Jay Vaquer)

Infância

Hoje eu estava conversando com meu irmão e meu primo.

A gente relembrou milhares de coisas e brincadeiras da nossa infância, sonhos e passagens engraçadas, medos, e várias outras coisas. A conversa durou cerca de uma hora, mas pra mim pareceu umas três ou quatro horas. É maravilhoso viajar no tempo.

Apesar da saudade, tanta coisa boa, tanta coisa mágica pra lembrar...

Ainda bem que na minha infância eu não tinha computador, e nem sonhava com internet, apesar de todas as coisas boas que ela traz, esse vício teria me privado de viver intensamente, com os pés no chão e sujeira na roupa...

Melhor do que ter fotos, é viajar nas lembranças, viajar na imagem de como você via o mundo naquela época, de coisas que você até mesmo imaginava, ou exagerava.

As amizades, o quanto as pessoas eram próximas, a criatividade, tudo isso me faz me sentir bem e acreditar na felicidade.

Eu tive uma infância muito, muito feliz, e agradeço muito a Deus por isso, e quero lembrá-la sempre e sempre...

Me salva

Não sei se sou eu o furacão, o turbilhão, a inconstante tempestade, ou se é você que faz tudo isso em mim.
As vezes me sinto amada, desejada, me sinto o centro de todo aqele seu mundinho... As vezes me sinto em crescente solidão, em risco constante de ficar completamente só.
Eu não posso controlar meu humor, nem todas as minhas loucas suposições. Não posso ficar nem um minuto comigo mesma, isso é um perigo terrível. Eu tenho a mania de inventar histórias, de me isolar e criar ódios e indiferenças.
Eu, sozinha, sou o patinho feio, sou a Hanna¹, sou o cavalo do vilão abandonado na estrada. Eu, sozinha, sou dona dos pensamentos negativos de todo o mundo, sou a nuvem negra de má sorte.
Eu sou minha pior inimiga, me leva com você, e me mantenha distante de minh'alma, me abraça e me deixa pensar somente em você e esquecer de mim.


¹: Pra quem não leu, a personagem Hanna, no livro 'Hanna, o anjo menorzinho de Deus', é desprezada o tempo todo pela família e por todos, está sempre só.
É um livro meio infantil, eu li na 5ª série, mas de lá pra cá, já reli várias e várias vezes, e sou encantada por ele, apesar de ser extremamente triste. No fim, Hanna retorna ao céu, pois era um anjo, mas na minha concepção, é uma metáfora para dizer qe ela suicida-se ao pular do mirante onde estava.
Não se pode confiar nos olhos quando a imaginação está fora de foco.

Cinderela Compulsiva Copyright © 2013 - Todos os Direitos Reservados

  

Web Statistics