"O dia que eu não chorei talvez tenha sido o dia mais atípico da minha vida. Sou do tipo que chora até com filme de comédia, mas nesse dia não me escapou nem uma lágrima involuntária. E eu senti que era o começo e, principalmente, o fim de muita coisa. Senti o estômago embrulhado e um nó na garganta, tudo muito familiar, exceto pela ausência do gosto do sal na boca. E, pela primeira vez, senti que era inútil pensar, repensar, perder noites de sono tentando solucionar o que não dependia só de mim. Se eu já disse o que devia ser dito uma vez, pronto, é isso, é a minha posição. Não vou ficar repetindo com argumentos convincentes, como quem defende uma tese e espera por aprovação. Senti que qualquer esforço não fazia sentido, porque eu acho que não vale pedir pra ficar, sabe? Tenho mania de achar que tem coisas que só tem valor se forem espontâneas, de coração e isso tá no topo da lista. Se eu amo alguém, eu nem cogito a possibilidade de ir embora. Desistir é coisa de gente que gosta pouco e tentar inverter uma situação assim é coisa de gente que não se gosta. Não cometo erros repetidos, porque quando é pela segunda vez, já é uma escolha. E eu não escolho isso pra mim. Minha mãe diz que eu sou muito coração aberto e eu acho que isso define tudo muito bem. Porta aberta pra entrar, escancarada pra sair. E eu vou ficar bem. Sempre fico."

Marcella Fernanda

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

Não se pode confiar nos olhos quando a imaginação está fora de foco.

Cinderela Compulsiva Copyright © 2013 - Todos os Direitos Reservados

  

Web Statistics