Não gosto do seu jeito, não gosto da sua voz, não gosto do seu sorriso. Não gosto dos seus assuntos, nem da sua maneira de se vestir, e não gosto do seu beijo nem do modo que faz amor. Não gosto como se comporta com meus amigos, não gosto de como age quando estamos sozinhos. Não gosto das palavras que usa, do modo que penteia o cabelo. Não gosto do seu cheiro. Não gosto do seu gosto. Não gosto do jeito que me toca. Eu não gosto da vida que leva, não concordo com seus objetivos futuros, não gosto de nada do que você faz.
Definitivamente, não admiro nada em você.
Eu gosto do seu olhar. Só do seu olhar, e porque me deixei levar? Quis fingir que isso bastava, mas não basta! Quis projetar em você algo mais próximo dele que eu pudesse, mas, meu Deus, porque diabos eu fiz isso?
Eu tive medo da solidão, eu sei, eu tive medo de ficar comigo mesma e não suportar. Tive medo da vida solitária que vem pela frente, quis me envolver com alguém, quis me apegar em alguém, mas as coisas não são assim. Eu quis transferir toda a confiança e segurança que tive em um relacionamento passado pra uma pessoa que mal conheço. Que achei que conhecesse. A carência me cegou, e quando você me beijou a primeira vez, será que eu realmente gostei daquele beijo?
Eu não gosto de você.
Eu precisei da sua companhia, mas olha, nunca fiz nada pra te prejudicar, apenas quis me deixar levar. Mas, enfim, se tivesse feito, ainda bem que você não merecia mesmo nada melhor que isso.
Eu deixei a minha carência me dominar, e me envolvi com uma pessoa que eu normalmente detestaria. E as vezes paro e fico pensando 'Gente, qualé? A que ponto cheguei?'

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário

Não se pode confiar nos olhos quando a imaginação está fora de foco.

Cinderela Compulsiva Copyright © 2013 - Todos os Direitos Reservados

  

Web Statistics